ataque cardíaco ataque cardíaco

Ataque cardíaco: quais as causas e danos do infarto no organismo?

6 minutos para ler

É fato que manter uma rotina saudável, com dieta equilibrada e práticas de exercícios, diminui muito o risco de muitas doenças, entre elas, as cardiovasculares. Além disso, realizar anualmente consulta com cardiologista para fazer um check-up é importante para diminuir as chances de problemas, como ataque cardíaco.

Muitos fatores podem ser a causa de um ataque do coração. Mas, normalmente, ele está associado à formação, ao longo dos anos, de placas de gordura nas paredes arteriais. Com o avanço delas, a artéria ficará obstruída, dificultando a passagem do sangue para o coração, podendo entupir e até se romper.

Em casos em que a obstrução da artéria coronária for muito significativa, o infarto pode levar à morte. Se quiser saber mais sobre o assunto, continue lendo este artigo. Nele, vamos falar sobre os sintomas e as principais causas do infarto. Confira e boa leitura!

Principais causas do ataque cardíaco

Para que o coração funcione perfeitamente bem, é preciso que o sangue, que tem nutrientes e oxigênio, seja irrigado até o órgão. Quando a irrigação do músculo cardíaco é impedida de acontecer, devido ao bloqueio de artérias coronárias, acontece o infarto agudo do miocárdio, ou seja, o ataque cardíaco.

O acúmulo de gordura nas artérias coronárias, o aumento da pressão arterial e a obesidade podem causar obstrução dos vasos e interrupção do fluxo sanguíneo, necessário para o bom funcionamento do coração. A obstrução da artéria que causa o infarto pode ser ocasionada por alguns fatores. Veja quais são eles.

Aterosclerose

É o principal fator que causa o infarto. O consumo excessivo de alimentos com alto teor de gordura e colesterol favorece a formação de placas dentro das artérias, causando o ataque cardíaco.

Pressão alta ou hipertensão arterial

Com o aumento da pressão sanguínea dentro das artérias, o coração trabalha mais e engrossa as paredes dos vasos, o que dificulta a passagem de sangue e compromete o funcionamento do coração. Pode ser causada por consumo em excesso de sal, sedentarismo, obesidade e fatores genéticos.

Diabetes

Normalmente, é associada à aterosclerose e aos maus hábitos de vida. Trata-se de uma doença crônica em que há a diminuição da produção de insulina ou resistência do organismo à mesma, aumentando a taxa de glicose no sangue.

Obesidade

Se dá devido ao consumo excessivo de açúcar e gordura, associado ao sedentarismo. Dessa forma, a obesidade favorece o desenvolvimento de várias doenças, como colesterol alto, hipertensão, diabetes, levando ao infarto.

Tabagismo

O consumo frequente de cigarros colabora para muitas doenças, como aneurisma, trombose, AVC, aterosclerose e infarto. O tabagismo leva a inflamação e enrijecimento das paredes das artérias, sobrecarregando o coração.

Uso de drogas e álcool

O consumo excessivo dessas substâncias aumenta a pressão arterial, podendo elevar as chances de sofrer um ataque cardíaco.

Transtornos psicológicos

Problemas como estresse agudo e depressão, assim como o uso de certos medicamentos, podem causar infarto.

Principais sintomas

ataque cardíaco

Alguns sinais do infarto são clássicos e fáceis de ser percebidos. Já outros, são peculiares e, muitas pessoas, nem desconfiam de que se trata do início de um ataque cardíaco.

Geralmente, as dores no peito, acompanhadas de mal-estar, estão entre os sintomas mais comuns. É preciso ter atenção para a intensidade dessa dor. Em alguns casos, a pessoa pode desmaiar e deve ser levada para atendimento médico imediatamente.

O infarto pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres, mais comumente após os 40 anos. Entre os gêneros, há diferenças funcionais e anatômicas no perfil cardíaco.

Os vasos femininos são 15% mais estreitos que os masculinos. Além disso, o coração das mulheres bate até 10% mais rápido que o dos homens, conferindo maior desgaste do órgão.

Normalmente, nos homens, o infarto é notado por causa da pressão no peito. Essa dor pode vir acompanhada de suor frio, dor nos braços, na boca do estomago ou na mandíbula. Também podem acontecer desmaios e tonturas.

Nas mulheres, os sintomas variam e a dor no peito pode se apresentar como uma queimação ou pontadas na região. Além disso, elas podem apresentar sensação de fadiga constante e sem explicação, náuseas e dores na boca do estômago.

Consequências do ataque cardíaco

Existem algumas doenças que estão associadas ao infarto, como hipertensão, diabetes e colesterol elevado. Esses problemas de saúde devem ser encarados como parte do ataque cardíaco para serem tratados como um todo.

Pessoas que já sofreram infarto podem desenvolver outras doenças cardiovasculares, como arritmia cardíaca e parada cardiorrespiratória. A arritmia é uma modificação no batimento cardíaco que pode acontecer após o primeiro dia de infarto.

Por isso, é importante que o paciente fique até 72 horas, depois do incidente, sob cuidados médicos. Quando o coração bate muito rápido, é conhecido como taquicardia. Por outro lado, quando bate devagar, chama-se bradicardia.

Já a parada cardíaca é quando o coração para de funcionar e é preciso ser realizada massagem na região do peito do paciente para que o órgão volte às condições normais.

Como evitar o infarto

Para evitar as doenças cardiovasculares, entre elas, o ataque cardíaco, é fundamental adotar hábitos de vida saudáveis, como prática diária de exercícios, alimentação balanceada, além de evitar bebidas alcoólicas e tabagismo. Dessa forma, é possível prevenir também outras doenças cardiovasculares, como a insuficiência mitral.

Uma alimentação balanceada rica em fibras, carboidratos e proteínas é importante para o funcionamento adequado de todo o organismo. Frutas, legumes e verduras devem ser consumidos em três porções diárias. Procure evitar o consumo excessivo de gorduras, bebidas alcoólicas, tabaco e drogas ilícitas.

Além disso, exercícios físicos melhoram a saúde do coração e diminuem as chances de infarto. É recomendado que sejam feitos, pelo menos, 30 minutos diários de alguma prática esportiva.

Vale caminhar, andar de bicicleta, fazer musculação ou aulas de dança. A modalidade não importa, o principal é praticar. Além de prevenir doenças do coração, exercícios favorecem a resistência, fortalecem os músculos, queimam gordura e aumentam o nível dos hormônios causadores da felicidade.

Portanto, optar por uma alimentação adequada, acompanhada da prática diária de exercícios físicos, é fundamental para manter a saúde do corpo e do coração em dia. Além disso, é importante consultar um cardiologista para realização do check-up anual. Todos esses cuidados diminuem as chances de ataque cardíaco e proporcionam mais qualidade de vida.

Gostou do post? Entre em contato com os profissionais do AmorSaúde e agende a sua consulta!

Posts relacionados

Deixe uma resposta