astigmatismo tem cura astigmatismo tem cura

Afinal, astigmatismo tem cura? Entenda mais sobre o assunto

6 minutos para ler

Existem diversos problemas oftalmológicos que afetam a nossa capacidade de enxergar bem. Entre eles, o astigmatismo é um dos mais comuns, afetando principalmente as pessoas acima dos 40 anos. Mesmo sendo recorrente, muita gente ainda tem dúvida sobre essa doença ocular. Afinal de contas, o astigmatismo tem cura?

A verdade é que o astigmatismo tem cura por meio de um procedimento cirúrgico. Também podem ser adotados outros métodos, dependendo de cada caso. Quer saber mais sobre o assunto? Continue lendo e conheça as causas e os sintomas do astigmatismo e como é feito o tratamento.

O que é astigmatismo?

O astigmatismo é considerado um erro refrativo, ou seja, a luz entra no olho, e a imagem é formada fora da retina. Esta é uma estrutura ocular semelhante a uma lente natural, responsável pela formação das imagens e por enviá-las ao cérebro por meio do nervo óptico. 

Em pessoas com astigmatismo, a imagem formada é sem foco e embaçada, pois ela sofre uma distorção após passar pela córnea, camada externa que reveste o olho. Assim, a pessoa não enxerga com a mesma nitidez de uma visão normal. É ainda pior para a leitura e o processamento de detalhes de objetos. 

Quais são as causas do astigmatismo?

Não se sabe ao certo o que pode causar astigmatismo, mas acredita-se que o problema de refração já esteja presente desde o nascimento, sendo agravado com o tempo. Inicialmente, há um defeito na própria curvatura da córnea, que deveria ser mais oval, ficando disforme e desigual. Dessa forma, a visão fica desfocada. 

Os casos mais intensos são chamados de astigmatismo irregular, quando o formato da córnea é bastante assimétrico. Por outro lado, os mais brandos são chamados regulares, quando há apenas uma diferença na curvatura da córnea.

Além disso, alguns fatores de risco podem induzir ou agravar o astigmatismo, como:

  • histórico familiar da doença;
  • outras doenças oculares;
  • trauma ocular ou cirúrgico;
  • prurido ocular (hábito de coçar o olho).

O astigmatismo também pode vir associado a outras doenças oculares, muitas vezes, sendo motivado ou agravado por elas. As mais frequentes são a miopia e a hipermetropia, como veremos a seguir.

Astigmatismo miópico

A miopia é um erro de refração em que a imagem é formada antes da retina, provocando dificuldade de focar objetos distantes. Ela é frequentemente associada ao astigmatismo, dando origem ao astigmatismo miópico, reduzindo a capacidade visual.

Quando ocorre na infância, pode afetar gravemente o aprendizado. Caso surja de maneira unilateral, ou seja, em apenas um olho, deve ser corrigida com urgência, pois pode levar à perda da visão de forma permanente.

Astigmatismo hipermetrópico

Ocorre quando o astigmatismo é associado à hipermetropia, um erro de refração em que a imagem se forma depois da retina. É bem comum em pessoas mais velhas, porém, deve ser corrigido antecipadamente caso aconteça em crianças, pois pode provocar a perda permanente da visão.

Quais são os sintomas do astigmatismo?

Os sintomas do astigmatismo variam de uma pessoa para outra, principalmente quando ele está associado a outros problemas de visão. Durante os primeiros anos, o problema pode se manter assintomático. De todo modo, destacamos como sintomas mais frequentes:

  • visão turva (de perto e de longe);
  • fadiga ocular (vista cansada);
  • cefaleia;
  • dificuldade de leitura;
  • tensão ocular;
  • visão dupla;
  • menor acuidade visual a noite;
  • fotofobia (sensibilidade à luz).

O astigmatismo tem cura?

Podemos dizer que o astigmatismo tem cura, desde que sejam tomadas as medidas corretivas necessárias. O tratamento mais efetivo é a cirurgia a laser. No entanto, a recomendação vai depender de uma série de fatores, como veremos adiante. 

De todo modo, também podem ser indicadas outras medidas, como o uso de lentes, que corrigem o problema de refração, devolvendo a acuidade visual, ainda que temporariamente. Isso porque as lentes precisam ser trocadas com regularidade, uma vez que o astigmatismo tende a evoluir com o tempo.

Quais são os tratamentos para astigmatismo?

astigmatismo tem cura

O diagnóstico do astigmatismo é feito por meio de um exame oftalmológico, em que se verifica a refração da visão. O exame de refração é relativamente simples, feito no próprio consultório médico. Para tanto, é importante se consultar com um oftalmologista, que é o especialista nesses e em outros problemas de visão. Ele pode indicar outros exames, como a ceratometria, de acordo com cada caso.

Para tratar o astigmatismo, é preciso corrigir o erro refrativo. Isso pode ser feito de forma temporária, com o uso de lentes, ou permanente, por meio de cirurgia. Entenda melhor cada um deles.

Lentes para astigmatismo

Em um primeiro momento, o médico pode indicar o uso de óculos ou lentes de contato para corrigir o astigmatismo. Isso vai depender de diferentes fatores, como a ocorrência de outras doenças, a idade do paciente e o grau, ou seja, a intensidade do problema.

As lentes oculares usadas são tóricas, que têm um formato cilíndrico, compensando a deformação da córnea. Elas têm uma diferença de espessura na superfície para compensar o astigmatismo, recuperando a acuidade visual.

Até os 15 anos, os óculos são mais recomendados, mas podem ser substituídos posteriormente por lentes de contato. Mais uma vez, vai depender de cada paciente, inclusive, de sua capacidade de adaptação às lentes.

Cirurgia do astigmatismo

Se o erro refrativo permanecer estabilizado por alguns anos, não aumentando o grau, o médico pode recomendar a cirurgia para corrigir o astigmatismo. O procedimento costuma ser recomendado para pacientes acima de 20 anos, sendo feito em crianças apenas quando há risco de perda da visão.

Na cirurgia podem ser utilizados diferentes tipos de métodos, com a ajuda de um laser. O método mais comum é o LASIK, em que o formato da córnea é esculpido para corrigir a visão. 

Esse procedimento pode ser feito junto com a correção da miopia nas pessoas que têm os dois problemas, recuperando a acuidade visual por completo. Já nos pacientes com mais de 45 anos, podem ser colocadas lentes intraoculares, corrigindo o astigmatismo e outros erros de refração.

Portanto, podemos afirmar que o astigmatismo tem cura, sobretudo se for diagnosticado e tratado de forma precoce. Por isso, é fundamental procurar um oftalmologista logo que aparecerem os primeiros sintomas e para fazer exames de rotina regularmente. 

Conseguimos esclarecer as suas dúvidas se o astigmatismo tem cura? Quer conferir mais artigos sobre saúde? Curta nossa página no Facebook e acompanhe todos os posts em primeira mão!

Posts relacionados

Deixe um comentário