Conheça as principais doenças periodontais e como tratá-las

7 minutos para ler

Escovar os dentes após as refeições, usar fio dental e fazer visitas regulares ao dentista não são cuidados apenas de quem se preocupa com a estética do sorriso. Todos esses passos são fundamentais no dia a dia de quem quer preservar a saúde bucal, evitar cáries e, consequentemente, exibir um belo sorriso.

Quem não segue esses cuidados certamente enfrentará problemas como os relacionados à periodontia. Trata-se de doenças que afetam desde a gengiva até o osso do dente.

Doenças periodontais podem ser classificadas como desde casos mais leves até casos graves. Alguns dos principais sintomas que indicam essas condições são sangramentos ao escovar os dentes, gengiva inchada e dolorida, mau hálito persistente, dente amolecido e dor ao mastigar alimentos. Quanto às causas, elas são diversas e, para evitar essas doenças, é fundamental ir ao dentista regularmente.

Para quem tem dúvidas sobre o assunto, abaixo explicamos quais são as principais doenças periodontais, sintomas e tratamentos. Confira logo abaixo!

Quais são os principais tipos de doenças periodontais?

Um dos desdobramentos mais graves das doenças periodontais é a perda dentária, que pode ser resultado de uma gengivite ou periodontite não tratada, por exemplo. E por mais que as pessoas estejam procurando cada vez mais os dentistas, sobretudo por conta do dentista popular, o problema da perda dos dentes ainda é recorrente entre a população brasileira.

De maneira geral, a doença periodontal significa uma inflamação e mesmo destruição da gengiva, que funciona como um tecido de proteção, e também dos ossos que funcionam como suportes para os dentes. Uma das principais causas é a falta de higiene, que resulta em placa bacteriana, responsável por causar a inflamação na gengiva.

As doenças periodontais podem ser classificadas como gengivite, periodontite e periodontite avançada. Veja detalhes a seguir.

Gengivite

A gengivite é considerada um estágio inicial de doença periodontal, ou seja, quando placas bacterianas não são removidas durante a escovação e começam a se acumular ao redor e também na superfície dos dentes. A partir do acúmulo das placas, a gengiva fica inflamada e podem surgir os chamados “bolsões”, que se caracterizam como espaços entre a gengiva e os dentes.

Ao chegar nesse estágio de bolsões, é imprescindível que a gengivite seja tratada; aliás, quanto mais cedo o problema for identificado e cuidado, melhor será para o paciente. Bolsões não tratados podem se transformar em problemas mais graves, como a periodontite, que veremos a seguir.

Periodontite

Se a gengivite é o estágio inicial dos problemas periodontais que uma pessoa pode ter, a periodontite pode ser classificada como o segundo estágio. Ela é uma infecção que acomete a gengiva, ligamentos e ossos que sustentam os dentes. Quando não tratada, o resultado pode ser a perda dos dentes.

Esse é um quadro não tão simples como a gengivite e necessita dos cuidados de um periodontista. Justamente por isso, é importante procurar um dentista diante do menor sinal que possa indicar algo de errado com a sua gengiva. Nessa fase, a placa bacteriana começa a se acumular em bolsões formados embaixo da gengiva. 

Periodontite avançada

Essa é a última fase da doença periodontal, sendo caracterizada pela destruição dos ossos e das fibras responsáveis pela sustentação dos dentes. Como resultado, os dentes podem se movimentar e, entre outros problemas, atrapalhar a mordida. Além do mais, outro resultado bastante comum de uma periodontite não tratada adequadamente é a perda dentária.

Esse estágio de periodontite é o mais agressivo e pode ser considerado uma infecção grave que causa a morte do tecido (gengiva).

Tão importante quanto conhecer as doenças é saber também como evitá-las. Nos casos dessas complicações periodontais, a prevenção é sempre a melhor alternativa: mantenha uma boa higiene bucal diariamente e visite o dentista para check-ups regulares a cada 6 meses. 

Quais são os principais sintomas?

Os cuidados diários aliados às visitas ao dentista já são importantes ações para se evitar as doenças periodontais. Mas precisamos considerar também que há alguns fatores de risco que podem afetar determinadas pessoas.

O hábito de fumar, diabetes, problemas hormonais e mesmo predisposição genética são algumas condições que facilitam o surgimento de inflamação na gengiva.

Então, preste atenção no dia a dia e também nos possíveis fatores que podem contribuir com o problema.

Além do mais, alguns sintomas como sangramento durante a escovação, vermelhidão e inchaço na gengiva e mau hálito são alguns sinais importantes que podem indicar a necessidade de ajuda profissional. Veja mais informações a seguir.

Sangramento durante a escovação

O sangramento da gengiva pode tanto indicar a gengivite como também um estágio de periodontite. Por isso, sempre observe, durante a escovação e o uso do fio dental, se há sangue saindo da gengiva — que ocorre por conta das bactérias que irritam e inflamam a região. 

Vermelhidão e inchaço da gengiva

Ao perceber sangue durante a escovação, tente observar também se a gengiva está com um aspecto mais avermelhado e/ou mesmo inchada, pois esses são igualmente sintomas de doenças periodontais.

Outra característica relacionada a isso é a retração do tecido, ou seja, quando a gengiva encolhe e o dente fica mais aparente. Outra situação mais grave é quando os dentes se afastam e surgem bolsões entre eles. 

Mau hálito

Outro sintoma recorrente ligado à doença periodontal é o mau hálito ou mesmo um constante gosto ruim na boca. Claro que a halitose, termo médico para o mau hálito, pode acontecer por outros fatores, como pelo tipo de comida ingerida.

Porém, ele costuma ser o resultado de uma má ou incompleta higienização que, consequentemente, propicia o surgimento da gengivite e de demais estágios das doenças periodontais. 

Quais são os tratamentos?

Seja qual for o estágio da inflamação, somente um dentista poderá dizer exatamente quais serão os cuidados e os tratamentos necessários para cada situação.

De forma geral, a gengivite pode ser revertida apenas intensificando a escovação e usando o fio dental corretamente, ou seja, apenas seguindo uma rotina correta de higienização.

Já para remover a placa bacteriana que, ao endurecer, transforma-se em tártaro, será necessária uma limpeza profissional no consultório do dentista. Em casos mais graves, outros procedimentos mais complexos poderão ser necessários, como cirurgias para diminuir os bolsões periodontais e plástica na gengiva.

Viu só como que um problema simples como a gengivite, causada principalmente pela falta de higiene, pode se transformar em um problemático caso de periodontia? Então, não deixe de cuidar da saúde bucal todos os dias e de visitar o um profissional de sua confiança. Mas, se perceber qualquer sintoma, procure imediatamente um dentista.

E se você se preocupa com a saúde e o bem-estar, aproveite para conferir todos os profissionais do AmorSaúde que estão à sua disposição!

Posts relacionados

Deixe um comentário