banner_blog_abril
Garoto pré-adolescente segurando coração de quebra-cabeça Garoto pré-adolescente segurando coração de quebra-cabeça

25 sinais de autismo que todo pai e mãe devem conhecer!

6 minutos para ler

Se você é pai ou mãe, provavelmente já ouviu falar sobre o autismo. Este é um transtorno do desenvolvimento que pode afetar a forma como uma pessoa se comunica, interage e percebe o mundo ao seu redor. 

Reconhecer os sinais precoces de autismo é fundamental para buscar apoio e intervenção adequada para o seu filho.

Neste artigo, vamos explorar o autismo e os 25 sinais de autismo que podem aparecer em crianças pequenas:

O que é autismo?

O autismo, o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um transtorno do desenvolvimento que afeta a forma como uma pessoa se comunica, interage socialmente e percebe o mundo ao seu redor. 

É considerado um espectro, o que significa que os sintomas e o grau de gravidade podem variar amplamente de uma pessoa para outra. 

Algumas características comuns do autismo incluem dificuldades na comunicação verbal e não verbal, padrões de comportamento repetitivos e interesses restritos.

Como é o diagnóstico do autismo?

O diagnóstico do autismo envolve uma avaliação abrangente realizada por profissionais de saúde especializados, como psicólogos, psiquiatras ou neurologistas. 

Essa avaliação pode incluir observação do comportamento, entrevistas com os pais ou cuidadores, testes de desenvolvimento e avaliação de habilidades sociais e comunicativas. 

O diagnóstico geralmente é feito com base nos critérios estabelecidos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), que é uma ferramenta amplamente utilizada para classificar transtornos mentais.

Afinal, quais são os 25 sinais do autismo?

É importante ressaltar que a presença de um ou mais desses sinais não significa necessariamente que a criança tenha autismo, mas pode ser um indicativo para uma avaliação mais detalhada. Saiba quais são:

  1. Dificuldade na comunicação: a criança pode ter dificuldade em expressar suas necessidades, usar frases simples ou manter uma conversa.
  2. Padrões de fala repetitivos: repetir palavras ou frases sem contexto ou motivo aparente.
  3. Interesses restritos: foco intenso em um tema específico, ignorando outros assuntos.
  4. Comportamentos repetitivos: movimentos repetitivos, como balançar as mãos, balançar o corpo ou bater palmas.
  5. Resistência a mudanças: dificuldade em lidar com mudanças na rotina ou ambiente.
  6. Sensibilidade sensorial: reações intensas a estímulos sensoriais, como luzes brilhantes, barulhos altos ou texturas diferentes.
  7. Falta de contato visual: evitação do contato visual durante interações sociais.
  8. Dificuldade em entender emoções: dificuldade em reconhecer emoções em si mesmo e nos outros.
  9. Apego a objetos: apego excessivo a objetos específicos, como brinquedos ou itens pessoais.
  10. Atraso na linguagem: dificuldade em adquirir e desenvolver habilidades de linguagem verbal.
  11. Dificuldade em brincar em grupo: preferência por brincadeiras solitárias em vez de interações sociais.
  12. Comportamentos impulsivos: agir sem considerar as consequências, como correr sem olhar ao redor.
  13. Dificuldade em seguir instruções: dificuldade em compreender e seguir instruções simples.
  14. Dificuldade em compartilhar interesses: falta de interesse em compartilhar experiências ou interesses com outras pessoas.
  15. Ecolalia: repetição de palavras ou frases ouvidas anteriormente, sem compreensão do significado.
  16. Ansiedade social: nervosismo ou desconforto em situações sociais.
  17. Hiperfoco: concentração intensa e prolongada em atividades específicas.
  18. Dificuldade em expressar emoções: dificuldade em expressar emoções de forma adequada.
  19. Comportamentos autolesivos: comportamentos que podem causar ferimentos a si mesmo, como bater a cabeça.
  20. Dificuldade em entender piadas ou sarcasmo: interpretação literal de linguagem figurativa.
  21. Inflexibilidade: resistência a mudanças de planos ou rotinas.
  22. Preocupação com detalhes: foco excessivo em detalhes, perdendo de vista o quadro geral.
  23. Dificuldade em iniciar ou manter amizades: dificuldade em estabelecer e manter relacionamentos sociais.
  24. Reações emocionais intensas: reações emocionais exageradas em situações cotidianas.
  25. Dificuldade em entender limites pessoais: falta de compreensão dos limites pessoais próprios e dos outros.

Se você identificar alguns dos sinais do autismo em seu filho, é importante buscar orientação médica e avaliação profissional para um diagnóstico preciso.

Lembre-se de que cada criança é única e o apoio adequado pode fazer toda a diferença no desenvolvimento e bem-estar dela.

Emoticons de emoção usados por um psicólogo durante uma sessão de terapia com uma criança com um transtorno do espectro do autismo.

Tratamentos para o autismo: abordagens e intervenções para melhorar a qualidade de vida

O tratamento do autismo é multifacetado e envolve uma variedade de abordagens e intervenções destinadas a atender às necessidades individuais de cada pessoa. 

Essas intervenções visam melhorar a qualidade de vida, promover habilidades sociais e comunicativas, reduzir comportamentos problemáticos e auxiliar a pessoa com autismo a alcançar seu máximo potencial de desenvolvimento.

Terapia comportamental: inclui abordagens como ABA (Análise do Comportamento Aplicada), que se concentra em reforçar comportamentos desejados e reduzir comportamentos indesejados por meio de técnicas de recompensa e modelagem de comportamento.

Terapia ocupacional: foca em ajudar a pessoa com autismo a desenvolver habilidades motoras, sensoriais e de autocuidado para melhorar sua independência e qualidade de vida diária.

Terapia da fala e comunicação: visa melhorar a comunicação verbal e não verbal, desenvolvendo habilidades de linguagem, expressão e compreensão.

Intervenções educacionais especializadas: proporcionam um ambiente educacional adaptado às necessidades da pessoa com autismo, com suporte individualizado, estratégias de ensino personalizadas e recursos específicos para promover o aprendizado e o desenvolvimento.

Abordagens sensoriais: focadas em lidar com sensibilidades sensoriais e ajudar a pessoa a regular suas respostas a estímulos sensoriais, como luz, som, texturas e movimento.

Suporte familiar: oferece orientação, educação e suporte emocional aos pais e cuidadores, capacitando-os a entender e atender às necessidades do indivíduo com autismo, além de promover um ambiente familiar inclusivo e acolhedor.

Intervenções comportamentais positivas: enfatizam a promoção de comportamentos positivos, habilidades sociais, autonomia e independência, utilizando estratégias baseadas em reforço positivo e desenvolvimento de metas realistas.

É importante ressaltar que o tratamento do autismo é individualizado, e a combinação de diferentes abordagens pode variar de acordo com a idade, nível de funcionamento, interesses e necessidades específicas de cada pessoa com autismo. 

O acompanhamento regular por profissionais especializados e a colaboração entre profissionais de diferentes áreas são fundamentais para garantir um plano de tratamento eficaz e abrangente.

A AmorSaúde é a rede de clínicas populares que mais cresce no Brasil, oferecendo diversas especialidades como cardiologia, oftalmologia, odontologia e ginecologia.

Se você gostou deste conteúdo e deseja investir mais na sua saúde, agende já sua consulta conosco!

Posts relacionados

Deixe um comentário