Remédio para emagrecer vale a pena? Veja quando utilizar para perder peso

6 minutos para ler

Ao enfrentar problemas com o peso, é bastante comum que as pessoas queiram recorrer aos medicamentos, principalmente quando sentem dificuldades de atingir os objetivos esperados com a dieta. Mas será que usar remédio para emagrecer vale a pena?

Com as recentes pesquisas do Ministério da Saúde apontando que houve um aumento de 67,8% dos obesos no país entre 2006 e 2018, a preocupação com a saúde e o sobrepeso se tornaram ainda maiores. No entanto, mesmo que esse seja um cuidado importante, o uso de medicamento para emagrecer exige atenção e só deve acontecer em situações específicas.

Se você quer entender mais sobre o assunto, continue a leitura e entenda se vale a pena usar remédios para emagrecer e quais os cuidados necessários!

Como funciona a maioria dos medicamentos para emagrecer?

Existem diferentes tipos de medicamentos para emagrecer, cada um com uma forma de atuação específica para trazer os resultados desejados pelo paciente ou necessários para um tratamento de saúde específico. Por isso mesmo, o funcionamento deles acontece por meio de diferentes efeitos no organismo.

O primeiro efeito comum é o controle da saciedade. A Sibutramina, por exemplo, age diretamente no sistema nervoso central para inibir a fome. Os medicamentos também costumam ter um efeito mínimo de acelerar o metabolismo, mas esse não é o principal mecanismo.

Outros remédios, como o Orlistat, atuam para o aumento da eliminação de gordura pelas fezes. Em geral, eles conseguem reduzir em até 30% a absorção de gorduras pelo organismo, mas não afetam a saciedade do paciente.

O combate à retenção de líquidos também é comum, tendo em vista que ela é responsável pela sensação de inchaço, o que dá a impressão de aumento de gordura no corpo. Esse problema pode resultar em complicações renais, caso não seja tratado.

Também existem medicamentos fitoterápicos, feitos sem o uso de substâncias químicas, que prometem ajudar no emagrecimento por inibir o apetite ou acelerar o metabolismo. Contudo, não há estudos comprovando a sua eficácia.

Quando o uso de remédio para emagrecer vale a pena?

Apesar de parecer que os benefícios são grandes, nem sempre o uso de remédio para emagrecer vale a pena. Primeiro, porque é comum que ele apresente diversos efeitos colaterais, conforme mostraremos a seguir.

Além disso, se a pessoa não trabalhar na reeducação alimentar e na mudança de hábitos, ao parar de usar o medicamento, a tendência é que recupere todo o peso perdido. Dependendo do caso, há o risco de engordar mais. Por causa disso, o medicamento é indicado para garantir o emagrecimento em situações de risco, como:

Nesses casos, o remédio não é usado de forma isolada: o paciente também precisa fazer uma dieta adequada para rever os hábitos alimentares, além de praticar exercícios físicos, para manter uma rotina saudável.

Contudo, muitas vezes, a vontade de emagrecer decorre apenas do incômodo estético, e a dificuldade para controlar a rotina alimentar faz com que as pessoas decidam pelo uso de medicamentos para facilitar a tarefa. Nessas situações, o ideal é não contar com o uso de medicamentos, investimento apenas no acompanhamento nutricional e atividades físicas para reduzir o peso.

Quais são os possíveis efeitos colaterais?

Antes de optar pelo uso de remédios para emagrecer, é essencial considerar que eles podem causar alguns efeitos colaterais, que variam de acordo com a medicação. Os mais comuns são:

  • boca seca;
  • constipação ou diarreia;
  • aumento da pressão;
  • insônia;
  • irritabilidade e alterações de humor;
  • ansiedade;
  • alterações na memória;
  • enjoos;
  • náuseas e vômitos;
  • desidratação;
  • sonolência.

Existem algumas recomendações comuns para evitar parte desses efeitos, como aumentar a ingestão diária de água e se alimentar em intervalos regulares. A falta de apetite pode fazer com que as pessoas deixem de realizar as refeições ou esqueçam de se hidratar corretamente.

Desse modo, é essencial acompanhar as alterações no organismo e, em caso de excessos, procurar suporte do médico que indicou o tratamento, pois pode ser necessário suspendê-lo.

Vale ressaltar que eles oferecem riscos para a saúde, principalmente quando o paciente não adota hábitos saudáveis em conjunto com a medicação. Como consequência, alguns remédios voltados ao emagrecimento tiveram a comercialização interrompida no Brasil.

O risco é aumentado em caso de automedicação, já que o paciente não conseguirá analisar a indicação do medicamento de acordo com as suas características ou problemas de saúde anteriores.

Qual a importância do acompanhamento médico?

Em regra, os remédios para emagrecer são vendidos apenas sob prescrição médica, como a Sibutramina e o Orlistat. A exceção acontece no caso dos fitoterápicos, por serem considerados “naturais”. Porém, mesmo esses medicamentos podem causar efeitos colaterais, principalmente dependendo do quadro inicial do paciente.

Portanto, antes de ingerir qualquer tipo de remédio com a finalidade de emagrecer, é essencial contar com o suporte de um endocrinologista. O médico fará uma avaliação completa para ver se esse tratamento é indicado; se for o caso, indicará o medicamento mais adequado de acordo com a sua situação.

Para isso, ele analisará seus hábitos e o histórico de saúde, para evitar que os efeitos colaterais do remédio causem prejuízos. Também há casos em que o ganho de peso está relacionado a problemas na tireoide, o que exige cuidados específicos para controlar a glândula.

O uso sem acompanhamento médico traz riscos para a saúde e, normalmente, resulta na recuperação de todo o peso perdido (ou até mais) após parar com a medicação. Ou seja, mesmo que você consiga os resultados esperados durante o tratamento, a longo prazo, o remédio para emagrecer poderá trazer prejuízos para a sua saúde.

Com essas informações, ficará mais fácil avaliar se remédio para emagrecer vale a pena e o que fazer caso deseje esse tratamento. Não se esqueça de que a indicação médica de um endocrinologista é essencial para não ter problemas de saúde, assim como a adoção de hábitos mais saudáveis, principalmente na alimentação.

Gostou deste conteúdo? Ainda tem alguma dúvida sobre o assunto ou alguma experiência com o uso de medicamentos para emagrecer? Compartilhe com a gente nos comentários!

Posts relacionados

Deixe uma resposta