4 dicas para se proteger da insolação neste verão

6 minutos para ler

O verão é a estação do ano esperada por muitas pessoas para aproveitar a praia ou a piscina e se bronzear, além de praticar outras atividades ao ar livre. Porém, o período de calor exige cuidados redobrados para evitar a insolação.

Esse problema pode ter consequências graves para o organismo, então é essencial entender quais são os sintomas, os riscos e as formas de preveni-lo. Tem interesse no assunto? Então, continue a leitura e saiba como curtir o sol e o calor sem riscos!

O que é insolação

A insolação é um problema de saúde causado pela exposição excessiva ao sol e ao calor intenso. Isso faz com que a temperatura do corpo ultrapasse os 40 ºC, o que causa uma falha no mecanismo de transpiração do organismo, que não consegue se resfriar. Como consequência, a pessoa começa a perder líquidos, assim como sais e nutrientes importantes.

A principal consequência é a desidratação, quando o corpo não tem água suficiente para manter as funções do organismo corretamente. Além disso, com a alta temperatura corporal, os órgãos vitais podem ficar aquecidos acima dos limites do organismo, trazendo complicações para o paciente.

Sintomas

As queimaduras solares, que deixam a pele avermelhada e quente, são um dos principais sintomas. Mas, para identificar a insolação, é preciso ficar de olho em outras alterações do organismo, como:

  • dor de cabeça;
  • náusea;
  • pele seca;
  • confusão mental;
  • tontura;
  • tremores;
  • pulso rápido;
  • distúrbios visuais.

Riscos da insolação para o organismo

Os sintomas citados são um sinal de alerta importante para que o paciente adote algumas medidas, como ingerir líquidos e permanecer em um local fresco e arejado, além de manter uma rotina de cuidados com a pele. No entanto, existem casos em que o problema é mais grave e apresenta sinais críticos, como:

  • dificuldade para respirar;
  • palidez, que pode ser acompanhada por desmaio;
  • convulsão;
  • temperatura corporal elevada;
  • áreas extremamente arroxeadas;
  • fraqueza muscular.

Nessas situações, o paciente pode entrar em coma e corre o risco de morrer, então, é fundamental ter atenção aos sintomas apresentados e à sua intensidade. Além disso, é importante sempre procurar atendimento médico para prevenir complicações.

Existem casos em que é necessário fazer a hidratação intravenosa e aplicar cuidados adicionais para evitar complicações em órgãos vitais, como rins, coração ou cérebro, que podem resultar em sequelas irreversíveis.

Queimaduras

As queimaduras solares podem ser de diferentes intensidades. A de primeiro grau é a mais comum, em que a pele fica bem avermelhada, quente e causa ardência. O tempo para melhorar o quadro costuma ser de até 7 dias, período em que pode acontecer a descamação da área queimada, sem deixar cicatrizes.

Já as queimaduras de segundo grau apresentam bolhas — que não devem ser estouradas, exceto se estiverem com excesso de líquido e causando muita dor ao paciente, pois deixam feridas com crostas. O processo de cura é mais lento e pode levar até 3 semanas. Após a cicatrização, a pele pode ficar com manchas ou cicatrizes.

As mais graves são as de terceiro grau. Apesar de não serem recorrentes em casos de exposição ao sol, elas podem acontecer. Nesses casos, além dos sintomas, podem causar febre e bolhas maiores, exigindo auxílio médico para identificar o tratamento mais adequado.

4 dicas para prevenir a insolação

Depois de compreender os problemas que a insolação causa no organismo, que tal conferir algumas dicas para se prevenir? A seguir, listamos 4 cuidados essenciais que você deve adotar. Confira!

1. Use protetor solar

Essa é uma dica que deve ser seguida durante o ano todo, mas, no verão, exige ainda mais cuidados em relação ao tempo de reaplicação. É importante comprar um produto que seja adequado ao seu tipo de pele e tenha um fator de proteção de, pelo menos, 30 FPS.

O protetor deve ser aplicado cerca de 20 minutos antes de sair, com reaplicação a cada 90 minutos ou após se molhar. Um erro comum é passar o protetor apenas ao sair de casa para ficar horas ao sol. Como o tempo, o efeito passa e a pela volta a ficar exposta aos raios solares, causando queimaduras.

2. Beba muitos líquidos

A ingestão de líquidos impede que o seu corpo fique desidratado, então ajuda a prevenir a insolação. Dê preferência a água, sucos naturais e água de coco. Além disso, não deixe para se hidratar apenas quando sentir sede.

Mantenha uma garrafinha de água sempre à disposição e adote o hábito de tomar um pouco a cada momento. Se você pratica exercícios físicos, lembre-se de que a reposição de líquidos deve ser maior.

Quando quiser ingerir bebidas alcoólicas, tenha em mente que elas aumentam a perda de líquidos e o risco de desidratação. Para prevenir, alterne o consumo com a ingestão de outros líquidos para evitar complicações.

3. Use roupas leves e claras

No calor, a tendência é dar preferência para pouca roupa, mas, se for possível, use roupas para ajudar na proteção da pele. Opções com tecidos leves e claros, que não fiquem coladas ao corpo, evitam o aumento do calor e ajudam na prevenção do problema.

Para quem pratica esportes ou trabalha ao ar livre, as roupas com proteção UV são alternativas interessantes: o tecido é feito para permitir que a pele respire normalmente, assim, ela permanece protegida por mais tempo. Se possível, use chapéus, bonés ou sombreiros para proteger a cabeça.

4. Evite o sol nos momentos mais quentes

Alguns horários do dia costumam ser mais quentes e a incidência de raios solares é maior: normalmente, entre as 10 e as 16 horas. Por isso, o ideal é não se expor ao sol durante esse período.

Caso não seja possível, redobre a atenção em relação às outras dicas e tente adotar cuidados adicionais, como ficar embaixo de guarda-sóis, tendas e outros locais que ofereçam sombra.

A insolação provoca sensações muito incômodas aos pacientes e, se não tratada, pode ter consequências graves. Portanto, adote os cuidados necessários para evitar que isso aconteça e, diante de qualquer sintoma, procure auxílio médico para tratar o problema!

Achou este post útil? Então, compartilhe nas suas redes sociais e repasse essas informações para que mais pessoas adotem esses cuidados no verão!

Posts relacionados

Deixe uma resposta